Com os altos preços do combustível, é difícil imaginar uma solução que não seja substituí-lo por outra forma de energia. A questão é que, quando analisamos as opções possíveis, quase sempre chegamos a um único resultado: o abastecimento elétrico. Em pleno século 21, os carros elétricos no Brasil seriam uma opção viável para as nossas estradas?

De acordo com uma pesquisa realizada pelo UOL Carros, os motoristas que possuem esse carro, gastam em média R$ 0,10 ou menos por quilômetro rodado, usando os modelos comercializados no Brasil. Em carros populares, a base de gasolina ou etanol, isso chega a ser duas ou três vezes mais alto.

Apesar dessa estimativa surpreendente, esse valor pode ser ainda mais otimizado. Dono de um BMW i3 elétrico em Jaguariúna (SP), Leonardo Coelho contou ao UOL Carros que chegou a investir além para captação de uma energia sustentável. Após gastar cerca de R$ 25 mil na compra e instalação de equipamentos para captação de energia solar, ele conseguiu não só economizar a sua conta de luz, como também o valor por km rodados. Em 5 anos, a estimativa é que recupere todo o preço investido.

No caso do Marcelo Dejon Souza, morador de Petrópolis (RJ), o preço por quilômetro rodado fica um pouco acima. Mais especificamente, R$ 0,01 acima. Como a eletricidade é mais cara em seu estado, os seus dois carros elétricos (Chevrolet Bolt e Mitsubishi Outlander PHEV) fazem R$ 0,11 por km rodado. Nesse histórico, o que não fica tão atrativo são os preços de ambos em concessionárias nacionais.

Em média, todos os carros elétricos ou híbridos vendidos por aqui custam R$ 100 mil, ou mais. Talvez o mais popular desses seja o Toyota Prius, que está à venda por aqui desde 2016. Com um motor flex também acoplado a sua mecânica, ele é totalmente fabricado no Japão. Em lojas da montadora, ele chega a ser negociado por R$ 126 mil, o que é bem salgado para boa parte dos brasileiros.

Muitos ainda acreditam que o valor chega a ser um investimento. Mas, na concepção de grande parte dos brasileiros, esse negócio é inviável. O que melhora o cenário é a chegada de novos modelos em concessionárias. O Chevrolet Bolt é um exemplo. 100% elétrico, ele é capaz de andar 383 km com uma única carga completa. Já o Nissan Leaf, também esperado por investidores, se locomove por 320 km com a mesma carga.  

OS MOTORISTAS QUE POSSUEM ESSE CARRO (ELÉTRICO), GASTAM EM MÉDIA R$ 0,10 OU MENOS POR QUILÔMETRO RODADO

Apesar das promessas, é importante lembrar que nenhum programa governamental promete tornar esse comércio automotivo mais acessível. Até o momento, a única vantagem é a isenção total do imposto na importação. Com isso, cabe apenas ao cliente decidir qual a melhor saída para a tenebrosa situação do combustível no Brasil.

Comentários