O próximo destino do Intercâmbio do Balconista S/A fica na América Central. Conheceremos mais sobre a Nicarágua, o maior país em tamanho deste continente. Apelidada de terra dos lagos e vulcões, a nação possui uma das mais vastas florestas pluviais da região. A capital da Nicarágua, Manágua, é a cidade mais populosa, com pouco mais de um milhão de habitantes. Esse lugar é curioso por uma peculiaridade: a grande parte das ruas não tem nome, são “invisíveis”.

Pontos de referência, monumentos e lojas são a maneira de conseguir chegar a um endereço na capital da Nicarágua. É comum as pessoas indicarem as seguintes direções: “Aonde era o Cine Rex” (um lugar que não existe mais, por exemplo), “sentido ao lago” e “para baixo e dois quarteirões para a esquerda”. O motivo de toda essa confusão foi o terremoto de 23 de dezembro de 1972. A catástrofe danificou severamente Manágua e suas ruas, deixando esse legado, que também trouxe outras consequências: não existe um centro no município e muitas casas estão sem numeração, algo com que os nicaraguenses já se acostumaram, mas que é um problema para os turistas.

Previous Image
Next Image

info heading

info content

Sendo assim, para conhecer a cena das autopeças em Manágua você deve partir da Estátua de Montoya e seguir cinco quarteirões em direção ao lago. Pronto, você chegou à Bodega Automotriz. A autopeça está há 25 anos aberta, desde 1993. Para conhecer a cena do setor neste país da América Central, conversamos com Marlon Briones Castillo, de 36 anos, gerente de vendas da loja.

Eles nos conta que a Bodega Automotriz é uma loja que conta com uma grande equipe de funcionários: 30 trabalhadores. O fluxo de clientes para todo esse time é massivo, e Marlon Briones explica as principais requisições dos seus consumidores. “As pessoas, em sua maioria, chegam aqui com problemas de suspensão e direção. Os componentes de motor são os mais procurados, até por serem peças mais delicadas”, revela.

Sobre o setor das lojas de autopeças, Marlon Briones conta que apesar de não existirem tantos carros na capital da Nicarágua, a concorrência vem aumentando com o tempo: “Todo ano abrem duas ou três lojas do tipo”.  Ele também nos diz que a maioria dos componentes chegam da Ásia, de países como China, Coreia do Sul, Japão e Taiwan.

Atualmente, a Nicarágua passa por um período difícil. Os protestos contra o governo que ocorrem desde abril, já causaram centenas de mortes entre os manifestantes civis. O gerente de vendas disse que esse momento violento afeta os comerciantes e espera um desfecho pacífico logo. “Rezamos a Deus para que tudo melhore e possamos trabalhar em paz”, finaliza.

Hilux dá as cartas

Na Nicarágua, a Toyota Hilux é o líder de vendas e, por consequência, o veículo mais visto nas ruas invisíveis de Manágua. Já fazem décadas que o modelo da montadora japonesa domina o mercado deste país centro-americano.

Previous Image
Next Image

info heading

info content

Para se ter uma ideia, em 2016, de cada 10 automóveis vendidos na Nicarágua, dois eram uma Hilux. Nesse mesmo ano, 2.300 unidades novas do modelo ganharam as ruas.

Comentários