Os espelhos retrovisores são itens presentes em todos os automóveis do mercado. Eles são itens obrigatórios, mas já foram considerados luxo no passado. A função deles é aumentar o campo de visão do motorista e garantir um maior controle na condução do veículo.

História dos espelhos retrovisores

O espelho retrovisor é um acessório que mudou a forma de dirigir. Sua origem não é certa, ele foi patenteado por Elmer Berger, em 1921, porém a ideia surgiu anos antes.

A primeira menção física ao item é de 1909, no livro “A Mulher e o Carro”, da automobilista britânica Dorothy Levitt. Em sua obra, ela aconselha as mulheres a carregarem espelhos de mão para ver os veículos que estão atrás.

Em 1911, durante a primeira corrida Indianápolis 500, o corredor Ray Harroun pilotou um Marmon Wasp com um espelho acoplado no painel. O piloto contou que essa foi a segunda tentativa de colocar a ideia em prática. A primeira foi em 1904, quando ele colocou um espelho em uma carroça puxada por cavalos.

No Brasil

No começo, os primeiros retrovisores eram internos, mas com o tempo as montadoras começaram a colocar eles no exterior do veículo, como um opcional de luxo. No Brasil, eles se tornaram obrigatórios em 1997, mas os carros da época já o possuíam, pois além de serem obrigatórios em outros países, eles viraram equipamento padrão.

Como funcionam?

Os espelhos retrovisores são diferentes dos espelhos comuns. A razão disso vem desde a sua fabricação. Eles são produzidos para serem espelhos curvados (convexos), Por causa dessa curvatura, o campo de visão do motorista é ampliado e as imagens refletidas ficam menores.

Espelhos vs câmeras

As câmeras já estão no mercado automotivo há um bom tempo. Elas são muito encontradas para auxiliar na hora de fazer baliza e dar marcha ré, mas elas não chegaram ao ponto de substituir os espelhos, por enquanto.

A Honda anunciou em seu mais novo elétrico, o Honda E, que não terá espelhos retrovisores externos, mas sim câmeras. Elas pegarão um ângulo maior que os tradicionais itens e prometem mudar o mercado automotivo.

Compartilhe

Comentários