Pesquisa feita pelo Movimento Compre&Confie em parceria com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) indica crescimento de 56,8% no faturamento desta modalidade nos cinco primeiros meses de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado.  Houve um crescimento de 65,7% no número de pedidos, de 63,4 bilhões para 105,06 bilhões. Até o momento o faturamento é de R$ 42,92 bilhões com previsão de movimentar R$ 106 bilhões até o final do ano.

A região que proporcionalmente registrou maior aumento no faturamento foi o Nordeste, com 60,9% em relação ao ano de 2019. A região representa 15,3% da receita no intervalo de janeiro a maio de 2020. Depois do Nordeste, vem o Sudeste, com crescimento de 54,9%, correspondendo a 62,2% da receita total do comércio eletrônico neste período. Em terceiro lugar fica a região Centro-Oeste, que teve alta de 47,1% e participou de 6,6% dos rendimentos deste ano, acompanhada pela região Sul, que evoluiu em 39,2% seus  ganhos e representam 13,2% do total movido. E por último, a região norte teve aumento de 44,1% e participou de 2,7% desse montante.

Com números promissores, o comércio eletrônico é uma alternativa viável que vem crescendo. Para quem deseja abrir o seu e-commerce é bom ter algumas coisas na cabeça.

O tipo de produto vendido que nos interessa é o produto físico, que pode ser tanto entregue na casa ou endereço especificado pelo cliente quanto retirado na loja. Há diferentes modelos de comércio eletrônico e cada um vai atender às diferentes necessidades. O modelo de e-commerce Business-to-Customer (B2C) ou negócio-para-cliente, que é o modelo em que as empresas ou lojas vendem diretamente ao consumidor final é o mais comum, Americanas e Casas Bahia são exemplos deste modelo. Há o modelo Business-to-Business (B2B) ou negócio-para-negócio que, diferente do B2C, vende para outras empresas. Distribuidoras e afins são exemplos dessa modalidade.

A venda online, ao contrário do que se pensa, apresenta suas próprias dificuldades. Como não há o olho-no-olho, a conversa e o vendedor, a figura da pessoa que entende do assunto precisa ser substituída de forma que os compradores na sua loja virtual consigam tirar as dúvidas e fazer a compra sem receio. Se um comprador achar que está comprando algo errado, ele não comprará. Neste momento surge a necessidade de implementar ferramentas e canais de comunicação com o público, como um chat online ou uma página dedicada às perguntas mais frequentes (FAQ).

A preocupação maior será a logística de entrega e envio de produtos, mas o empreendedor que deseja criar uma loja virtual pode fazer isso usando a plataforma que achar melhor. Criando um site, com seu próprio domínio, esta pessoa pode personalizar os elementos, menus e layout da página.

Dessa forma é possível implementar formulários com informações do cliente como qual tipo de peça que ele geralmente procura, de qual marca e em que região. Isto permite que você gere leads e faça um mapa do comportamento do seu cliente além de poder fazer propaganda direcionada e segmentada para seu público.

Quanto mais visitantes você tiver mais leads você tem, quanto mais leads (compradores em potencial) mais oportunidades e quanto mais oportunidades mais clientes de fato você terá, possibilitando assim uma maximização das conversões. Investir em e-mails é bom porque é uma forma de trabalhar os leads e de chamar a atenção do comprador em potencial para seus produtos.

Para ter uma boa página vale investir em um programador e designer que otimizem sua página, a tornem funcional e façam com que ela seja agradável de se navegar. Existem profissionais dedicados a isso como o UX (User Experience Designer) e UI (User Interface Design) ou designer de experiência do usuário e designer de interface do usuário. Estes dois profissionais tornarão a página ou o App mais amigável e fácil de mexer.

Outro profissional interessante para se investir é o que sabe mexer com SEO, que é a otimização da ferramenta de busca do Google. Para que seu negócio esteja na primeira página é necessário algumas coisas. O Google prioriza as páginas que ele considera relevantes, que atendem, tiram dúvidas e prestam bom serviço àqueles que estão procurando. Esse profissional vai saber usar uma série de recursos como backlinks, palavras-chave, métricas e a própria programação do site para alavancar a sua posição nas buscas.

A ABComm prevê que até o final deste ano 37% das transações eletrônicas serão feitas via smartphone. Então o site deve ser funcional via mobile ou ainda ter uma versão em App.

Desenvolver um Aplicativo do zero pode ser trabalhoso e custoso, mas há alternativas viáveis que facilitarão a vida do empreendedor eletrônico. O HubSpot, por exemplo, ajuda a rastrear, alimentar e organizar seus leads de forma totalmente gratuita, além de fornecer um chat ao vivo com os clientes. Com o Shopfy Mobile, que também é gratuito, você pode receber pagamentos, preencher os pedidos, ajustar o inventário e criar novos produtos. E há ainda alternativas de pagamento como Mercado Pago e Pic Pay.

Compartilhe

Comentários