Confira as atualizações que entraram em vigor no mês de setembro

Buscando facilitar os processos de contratação de seguros automotivos, novas regras foram implementadas no início de setembro, por meio da Circular Nº 639. De acordo com a Superintendência de Seguros Privados (Susep) e o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), apenas 16% da frota circulante no Brasil possuíam esse serviço em 2019.

Agora, os órgãos esperam maior adesão aos serviços, que também trazem novidades em relação a motoristas de aplicativos e usuários de carros compartilhados.

Principais modificações

A partir de agora, não é obrigatório ter a identificação específica do veículo para a contratação do seguro. Além disso, os tipos de cobertura serão de total escolha do cliente. Confira abaixo outras alterações relevantes nas normas.

Coberturas de responsabilidade civil facultativa

Dessa maneira, o auxílio não precisa ser direcionado ao proprietário, mas, sim, para o condutor, caso se trate de outra pessoa. A nova regra é benéfica para situações envolvendo veículos alugados ou divididos.

Reparos na rede credenciada

As regras atualizadas permitem a seguradora deixar acordado no contrato os locais permitidos para fazer o reparo em casos de sinistro. Assim, o cliente se limita à rede credenciada de cada empresa para obter sua cobertura.

Peças

Antes da mudança nas normas, era permitido apenas o uso de peças novas e originais no reparo do veículo pela seguradora. Agora, podem ser utilizados componentes não originais, desde que se constate bom estado e procedência confiável.

Indenização por perda total

Não será mais necessário que a indenização seja correspondente ao valor integral da Tabela Fipe. Ambas as partes podem acordar um valor parcial – por exemplo, 70%.

Diante desse cenário, contratar uma seguradora poderá ser mais acessível. Caso queira fazer uso do serviço, pesquise várias opções, estude e converse com pessoas que possuem seguro. Maior acessibilidade não significa falta de cuidado!

Leia também: Impostos que incidem sobre a compra de carros no Brasil.

Compartilhe

Comentários