Na década de 1980, quando o mercado brasileiro ainda estava fechado para importações, o comércio de réplicas automotivas tornou-se prática frequente

Todo apaixonado por carros reconhece que alguns veículos são, simplesmente, especiais. Ganham destaque pelo design, mecânica, exclusividade ou história. A partir disso, em meio a um mercado amplo e repleto de técnica, alguns fabricantes dedicam-se ao comércio de réplicas automotivas – algumas delas quase indistinguíveis das originais (chamadas, portanto, de recriações). 

Com esse contexto em mente, a pergunta que surge é: vale a pena ter uma réplica de um carro? Continue a leitura para conferir alguns pontos importantes!

A história das réplicas

Para entender o surgimento das réplicas de carros, já se sabe que a indústria automotiva sempre tem seu crescimento pautado pelo contexto global. Na década de 1980, enquanto as importações estavam fechadas para o Brasil, vários veículos lá fora brilhavam, inacessíveis, aos nossos olhos.

A partir disso, passamos a ter em solo nacional modelos fora-de-série e outros especiais baseados nas unidades de linha. Foi nesse cenário que começaram a ser produzidas as réplicas de carros estrangeiros renomados, como o Porsche 356, com a reprodução nacional Envemo Super 90, parecida com a versão original e carregando boa usabilidade. 

Dentre as recriações mais famosas, temos a réplica do Cobra pela Glaspac – uma das pioneiras nesse nicho -, fazendo uso de motores Ford V8, na época facilmente obtidos no mercado. Havia também a empresa Fera, que replicava o Jaguar XK 120.

Outro dos mais renomados foi o MP Lafer, uma réplica do inglês MG TD 1952, com motor Volkswagen, e que acumulou vários fãs. Hoje, o preço de uma unidade em boas condições (definida como item para coleção) pode variar entre R$ 50 mil a R$ 125 mil. 

Considerando que os brasileiros não podiam importar exemplares originais, esse comércio veio em uma época na qual isso fazia muito sentido e, claro, havia público para tal. De qualquer forma, até hoje as réplicas são procuradas e comercializadas.

O motivo? Algumas reproduzem carros extremamente raros e, em alguns casos, são simplesmente a opção mais barata para o cliente.

Vale a pena ter uma réplica? 

Essa pergunta não ganha uma resposta objetiva. A análise é sempre individual; afinal, a unidade só terá um proprietário. Pontos interessantes a serem considerados são o fato de o modelo representar ou não algo importante – por exemplo, ser um marco para a indústria automotiva (pela história ou exclusividade) ou, ainda, se o comprador possui alguma conexão mais íntima com o item. 

Réplicas de veículos mais atuais, como a Ferrari F430, podem ser menos vantajosas, já que são mais comuns. Inclusive, nesse exemplo, algumas reproduções tomam como base o Peugeot 406 coupé, que por si só já teria um design atrativo da italiana Pininfarina. 

As opções que podem compensar mais – se o bolso permitir, obviamente – são as que reproduzem carros raros, com unidades extremamente limitadas. Exemplo dessa categoria é a réplica do Porsche 550 Spyder, cuja versão original teve apenas 90 unidades produzidas, sendo 43 de rua.  

Outra possibilidade interessante é comprar uma réplica de um carro de corrida que foi destruído. Quando os modelos tomados como inspiração são raros, o valor no mercado é muito alto, o que também valoriza as réplicas e as torna objeto de desejo de colecionadores. 

Comércio de réplicas automotivas
Foto: Reprodução/Lexicar Brasil

Ao comprar uma réplica, tenha em mente as várias possíveis variações na mecânica. Assim, é importante que o consumidor entenda o básico sobre questões técnicas, ou consulte um profissional para evitar o risco de ser enganado. Há opções diversas de motor, suspensão e chassi. 

Vale lembrar que as réplicas devem trazer algumas vantagens indispensáveis: manutenção fácil, além da exclusividade e estilo. 

Compartilhe

Comentários