É comum pensar que para garantir a vida útil do pneu basta calibrá-lo de 15 em 15 dias. É inegável a importância disso. Não apenas antes de viagens e percursos mais longos, mas também quando o carro é utilizado apenas nas cidades, a calibragem é essencial.
O que muita gente não sabe é que existem outras medidas a serem tomadas em prol da “saúde” do pneu. Atitudes que podem fazer com que ele dure mais e que se mantenha em funcionamento perfeito: isento de riscos e com segurança.
Aqui vão algumas dicas para auxiliar na durabilidade dos pneus:

Calibre de 15 em 15 dias

O importante aqui é garantir que a calibragem está sendo feita com a regularidade certa e com a regulagem certa: ou seja, mantenha a média de 15 dias entre uma calibragem e outra, independentemente do percurso está sendo feito ou será feito posteriormente.
Além disso, não adianta nada “chutar” a pressão a ser utilizada: verifique com precisão a quantidade de libras que cada um exige. Por fim, prefira calibrar quando os pneus estiverem frios. O AutoEsporte fez uma reportagem só para falar da importância da calibragem na segurança do motorista:

O famoso rodízio

Fazer um rodízio é nada mais nada menos do que trocá-los de posição a cada 10 mil quilômetros rodados. Porém, é importante se atentar para o detalhe: cada carro apresenta uma tração específica:
Para carros com tração dianteira, os pneus dianteiros devem ser trocados com os pneus traseiros, invertendo os lados. Para modelos com tração traseira, os pneus dianteiros devem passar para a traseira de maneira cruzada e os traseiros para a parte dianteira em linha reta. Se o carro tem tração integral, os pneus devem ser trocados seguindo uma forma de X.

Alinhamento

Se perceber que o carro está tendendo para um lado ou outro, está na hora de realizar o alinhamento, que evita o gasto desnecessário de combustível e diminui o atrito maximizado do pneu com o solo.
É recomendado que seja feito a cada 10 mil quilômetros. Porém, é imprescindível que se preste atenção a uma possível necessidade precoce, nesse tempo. Se for o caso, leve o carro em um mecânico e resolva a situação.

Balanceamento

Outro processo que deve ser feito a cada 10 mil quilômetros. Consiste no ajuste de equilíbrio entre as rodas e os pneus, que pode evitar problemas sérios como perda de dirigibilidade e estabilidade.
Recomenda-se que seja feito, também, no caso da troca de pneus ou na realização do rodízio, que não deixa de ser uma troca. No vídeo abaixo, é possível entender um pouco mais sobre o processo de alinhamento e balanceamento:

Manutenção preventiva

Amortecedores, molas, rolamentos, freios, rodas, e eixos podem melhorar a situação dos seus pneus, impactando na vida útil positivamente.

Direção defensiva

Adotar a direção defensiva envolve alguns fatores: manter distância mínima entre um carro e outro, evitar frenagens bruscas, respeitar limites de velocidade, respeitar sinalizações, e evitar mudanças bruscas de direção.
Tudo isso impacta na segurança dos que estão à sua volta, e na adoção de uma postura que tem, como consequência, o mínimo desgaste dos pneus. Ou seja, indiretamente, prolonga a vida útil deles.

Validade

É preciso estar atento à validade dos pneus. Geralmente eles duram de 5 a 6 anos. Após esse período, a borracha tende a ressecar, podendo esfarelar.
Procure uma sequência de 4 números na lateral do pneu para checar esse dado. Se estiver escrito 1514, a troca deverá ser realizada até Abril de 2020.

Sulco do pneu

O sulco do pneu é a ranhura responsável pela aderência e pelo escoamento de água. De acordo com a legislação, eles tem que ter 1,6 mm de profundidade. Pneus que apresentarem menos do que isso, criam riscos. Na chuva, há maior risco de aquaplanagem.
Para finalizar, escolher as ruas pelas quais você passa, quando possível, pode evitar desgastes desnecessários. Além disso, escolher o pneu certo pode parecer óbvio, mas muitas pessoas não se atentam a isso. Portanto, preste a atenção no modelo.

 

Comentários