Em tempos turbulentos, tanto para economia, como para política, toda sinal positivo deve ser celebrado. De acordo com uma pesquisa do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), o segmento de reposição da linha leve teve alta de 5%, enquanto que o de pesados, infelizmente, recuou em 10,3%.

O estudo foi feito entre janeiro e novembro de 2016, baseado nos resultados do ano anterior. A justificativa que se dá para a disparidade entre as porcentagens que surgem, é relacionada à ociosidade do segmento de transporte. Se trata de um setor que tem movimentos pequenos, sejam eles positivos ou negativos. Fato é: não se espera mudança tão cedo.

Em tempos de dificuldade, entretanto, existem duas opções: cruzar os braços ou aproveitar novas oportunidades. Confira análise feita pelo sociólogo Glauco Arbix sobre a crise no setor automotivo e quais os impactos para os próximos anos.

Compartilhe

Comentários