O sistema de suspensão garante segurança e conforto aos ocupantes

O sistema de suspensão é um conjunto de itens que liga o chassi às rodas e garante a absorção de choques e impactos sofridos durante a movimentação do veículo. A suspensão fornece conforto para quem está na cabine e faz com que os quatro pneus encostem no chão, além de melhorar a performance da máquina.

Existem vários tipos de suspensão criados especificamente para cada modelo de veículo. É importante que o motorista conheça as características essenciais de funcionamento do sistema para identificar possíveis problemas. 

Para garantir a segurança dos ocupantes, o sistema de suspensão deve impreterivelmente estar em boas condições. Sua vida útil é determinada pelas situações dos trajetos e a maneira de uso, mas, em geral, podem suportar cerca de 40 mil quilômetros rodados.

A suspensão é formada pelos seguintes itens:

  • Amortecedores;
  • Braço oscilante (bandeja de suspensão);
  • Molas;
  • Pivô;
  • Coxim;
  • Barra estabilizadora;
  • Buchas de borracha. 

Agora, iremos explicar a função de cada um. 

Componentes do sistema de suspensão

Amortecedores

Os amortecedores têm a função de absorver impactos sofridos no trajeto. Essa peça atua junto às molas, diminuindo o tempo de oscilação delas. É de extrema importância cuidar do amortecedor, pois o conforto dos ocupantes da cabine está diretamente ligado a ele.

Quando a peça está com problemas, é possível identificá-los por alguns sinais, como ruídos, perda de estabilidade nas curvas e vazamento de fluidos.

Molas

Além de terem a mesma função do amortecedor, as molas também servem para regular a altura e sustentar o peso do veículo, impedindo que os pneus encostem na caixa de roda. Elas se dividem em dois tipos: helicoidal e feixe de mola.

Coxim

O coxim recebe os impactos sofridos pelo amortecedor e viabiliza a rotação da coluna de suspensão (onde estão os amortecedores e as molas). A partir daí, as rodas do veículo conseguem girar.

Barra estabilizadora

Peça que liga as duas colunas de suspensão e confere estabilidade ao veículo, como o nome sugere. Ela também é responsável por transmitir força de maneira equilibrada aos pneus.

Pivô

Também chamado de junta esférica, o componente permite que a coluna de suspensão gire em torno do próprio eixo e, por consequência, viabilize o movimento das rodas.

Braço oscilante (bandeja de suspensão)

Essa peça liga a coluna ao chassi, exercendo uma função de suporte do sistema. Trata-se do ponto de apoio inferior para a suspensão realizar os movimentos de descida e subida – por isso o termo “oscilante”.

Buchas de borracha 

As buchas garantem que a bandeja de suspensão execute seu papel sem atrito, além de impedir a colisão entre os ferros das peças. 

Tipos de suspensão 

Suspensão ativa 

Enquanto os tipos mais tradicionais – de caráter passivo – reagem às falhas através de parâmetros preestabelecidos por cada fabricante, a suspensão ativa é formada por sensores que coletam informações do solo do trajeto. Assim, o sistema age de acordo com as imperfeições detectadas. 

Eixo rígido 

Era o tipo de suspensão mais utilizado antigamente. Ele conta com uma barra – fixada ao chassi – que liga as duas rodas. Essa barra deixa o sistema bastante pesado, daí o termo “eixo rígido”. 

Triângulo duplo

É um tipo de suspensão mais utilizada em carros esportivos, porque fornece mais estabilidade. Esse nome se justifica pelas duas barras em forma de “V”, formando uma figura semelhante a um triângulo.

Multilink

Inspirada no Triângulo Duplo, a Multilink se diferencia por possuir mais barras com espaços maiores entre elas.

MacPherson

Criada na década de 1940 por Earle Steele MacPherson, pode ser aplicada às suspensões traseira e dianteira dos veículos, sendo mais comum na segunda. Por conter poucas peças, trata-se de um tipo mais leve.

Suspensões modificadas

Existem as suspensões modificadas, que sofrem alterações por necessidade. Confira abaixo os tipos.

Suspensão fixa

Composta por amortecedores pressurizados com mais carga e com molas em menor tamanho, a suspensão fixa pode diminuir a altura da carroceria em relação às rodas. Desse modo, é o tipo mais utilizado para rebaixamento de veículos.

Suspensão de rosca

Ela é semelhante à suspensão fixa, exceto por possuir um prato regulável no amortecedor, tal qual a porca girando em um parafuso. Quando o prato se movimenta, a carroceria do veículo pode subir ou descer.

Sistema a ar

Essa é a modificação mais cara. Aqui, as molas convencionais dão lugar a bolsas que recebem o ar comprimido por um sistema de mangueiras. Dessa forma, a altura do veículo pode ser regulada a qualquer hora, esteja ou não em movimento.

Suspensão para GNV

Se o veículo é movido a Gás Natural Veicular (GNV), esse é o tipo de suspensão necessário. O cilindro de GNV, localizado na parte de trás, deixa a máquina no mínimo 100 kg mais pesada. Assim, é preciso trocar as molas traseiras por modelos mais resistentes. 

A troca da suspensão e a manutenção preventiva 

Assim como todas as peças de um veículo, o sistema de suspensão também requer manutenções preventivas. Embora existam diversas variantes, como a maneira com que o condutor dirige, além das condições da pista, o ideal é fazer as checagens a cada 10 mil km rodados .

Para descobrir problemas na suspensão, o motorista deve ficar atento não apenas a barulhos, mas também a eventuais modificações de conforto, aumento na distância de frenagem e deterioração antecipada dos pneus.

Um profissional qualificado saberá identificar caso a suspensão precise de manutenção ou, em casos piores, ser trocada. Por isso, não deixe de levar seu veículo regularmente a uma oficina de confiança.

Leia também: Tecnologias que ajudam a salvar vidas no trânsito.

Compartilhe

Comentários